BOOKS || Anacrônicas (Ana C. Rodrigues) & O Rei e o Camaleão (Christian David)

Autor: Ana Cristina Rodrigues
Editora: A1
Tema: Contos
Este livro é um pequeno mundo traduzido em paginas. Quem criou? Nunca saberemos, mas se você se dispuser a entrar nele, encontrará alguém que o conhece muito bem.
Ana Cristina Rodrigues compartilha com você um pequeno mundo descoberto ao seguir um coelho, ao ver o fim do mundo pela TV, nos últimos momentos antes da tocha acusadora tocar a palha, ao se deparar com deuses possessíveis e inimagináveis.
Se depois disso você souber algumas respostas, ela se sentira grata.
Se sair deste mundo com mais perguntas, você se sentirá como ela.
Autor: Christian David
Editora: Ideias a Granel
Tema: Contos, Infanto-Juvenil
O livro compõem-se de duas histórias destinadas ao publico jovem e adulto, “O Monge Rei” passa-se em um reino fictício no que se poderia comparar a nossa Idade Média, época de reis, castelos e lutas de espada. Já “O Camaleão” é uma ficção espacial que conta a história de um agente secreto que tem a peculiar característica de ser um transmorfo. Ambas nos remetem aqueles sábados em que a geração que passou sua infância nos anos oitenta assistia a seriado enlatados e colecionava revistas em quadrinhos.
RESENHA:
Ok, resenhar contos é mais complicado do que um livro, porque a quantidade de páginas é menor (muito menor) e é preciso mostrar uma ideia, desenvolvê-la e finaliza em poucas páginas. Então para mim é mais complicado falar de tantas histórias e analisar tintint por tintin, por isso falarei de um modo geral sobre os dois livros de hoje, ok?

Começo por ‘Anacrônicas’, acho que li tão rápido que quando terminei pensei; Ué já acabou? – A autora foi fantástica em compartilhar essas pequenas histórias conosco, começando por Alice no País das Maravilhas e seu coelho apressado. Ela começa a mostrar o que podemos esperar por aí.

Como todo livro de contos, alguns são tão fantásticos e nos tocam de tal forma que gostaria muito que ela pudesse desenvolver mais e quem sabe ao invés de ser pequenos contos mágicos ser contos, assim eles seriam melhor desenvolvidas e poderiam ser mais encorpadas, as quais eu teria um imenso prazer em saborear melhor.

Outros contos eu não gostei tanto ou não senti que a história desenvolveu tão bem, mas achei os temas interessantes. Talvez se fosse um conto poderia ter outra opinião agora. O mais legal em todos eles é que a autora sempre mesclava algo do passado, seja na forma de lenda/mito com o presente e isso aparece bem destacado no conto “A Casa do Escudo Azul”, onde no final do mesmo ela nos traz uma ideia muito interessante ao comparar uma obra prima como ‘Utopia’ e ‘Harry Potter’, dentro do contexto da história percebemos que num futuro distante esses dois livros poderão ficar lado a lado e serem considerados ‘iguais’.

Não sei se todos que leram este livro tiveram essa impressão, mas ao ler os contos parece que vamos numa certa sequência, seguimos o coelho... conhecemos o mundo imaginário fantástico com suas belas histórias e terminamos o livro com um conto sobre o Apocalipse. O grande Big Brother num futuro distante?!

Apesar de ser curtinho vale a pena. Talvez para quem nunca leu nada de contos, é uma chance bacana de começar!!

Para adquirir os livros entrem em contato com a autora
> pequenoscontosmagicos@gmail ou @anacriscrod


Na sequência passo para o ‘O Rei e o Camaleão’, neste são apenas duas histórias – Monge Rei e Camaleão. O primeiro me lembrou um cadim de Rei Arthur (talvez seja porque acompanho o seriado Merlin) e ao ler as descrições e citações Camelot logo me veio na mente, ou talvez seja devido à mensagem que a história passou. Porque sim, eu gosto de livros que tenha uma moral interessante e construtiva e às vezes quando o livro não atinge muito isso eu fico me sentindo meio sem chão.

Gostei da forma da narrativa e como tudo foi contornado. Como citei lá em cima, é difícil em poucas paginas ter o – início, meio e fim – e realmente ficar interessante, com aquele ar de queremos mais. Do tipo que se a história tivesse umas 200 páginas continuaríamos lendo sem parar.

Já a segunda história não me encantou tanto quanto a primeira e nem é pelo motivo de ser algo futurístico nem nada, porque adoro umas coisas loucas vinda do futuro. Sou ou não uma caixinha de surpresas? Acho que foi porque não me identifiquei com o personagem Knox como me identifiquei com o Rei da primeira história.

Achei que a história foi um pouco corrida. O autor poderia ter escrito mais e explorado a Terra do futuro tanto quanto fez com a história anterior. Apesar de não ter me encantado, o enredo da história é bem interessante e faz algumas reviravoltas que eu não esperava. O final deixa uma espécie de mistério no ar. Essa coisa de imaginarmos mil finais é bom algumas vezes.
                           
Para adquirir os livros entrem em contato com a autora
> cndavid13@gmail ou @cndavid13

Share:

0 comentários